sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

O que esperar do remake dos Power Rangers?


Aqui no Blog eu falo bastante de Animes, Games, desenhos em geral, mas pouco tenho falado sobre Cinema (até já levei um puxão de orelha do blogueiro do Luz e Trevas). Então, vamos falar de Cinema, mais especificamente no trailer do novo filme dos Power Rangers, previsto para 24 de março de 2017 lá na terra do Tio Sam.

ATUALIZADO DIA 19 de JANEIRO DE 2017

Segue novo trailer do novo filme dos Power Rangers.


Chagas abertas... agora sim, vamos ao Post.

DEPOIS DE 20 ANOS, UM REMAKE DO PRIMEIRO POWER RANGERS

Poisé, desde que a Saban Entertainment comprou Direitos Autorais de vários seriados Super Sentai com elenco adaptado ao público norte-americano. Aliás, os Gringos tem essa prática de "adaptar" Produções estrangeiras aos seus padrões e, sobre isso, fique sabendo que as alterações vão longe, desde a simples alteração no Elenco (sabia que a Ranger Amarela no original, é um Homem!?) até alterações grosseiras na História original, visando a tolerância a um determinado público (sabia que o Ranger Verde, no original, acaba morrendo?!) até mesmo misturar várias sérieas para criar algo totalmente Inédito, o que não significa que seja algo bom (tipo o VR Troopers).

Cara, eu simplesmente não conseguia ver VR Troopers, aliás, eu acho que eu era uma das únicas crianças na minha época que acompanhou o Metalder.

Alguns exemplos de adaptações gringas "questionáveis" que não são culpa da Saban (o que não diminui seus delitos contra produções "estrangeiras") são Godzilla (no original Gojira), O Chamado (no original Ringu - que até fizeram um filme misturando os dois filmes) e o mais recente Oldboy (no original coreano Oldboy, que está bastante criticado).

Pra quem não sabe, o primeiro Power Rangers veio de um Super Sentai chamado "Esquadrão Dinossauro Zyurangers" e na sua época, a história era boa. As alterações feitas a partir disso para criar os Power Ranges também emplacaram... mas os tempos são outros. Existe um público mais exigente e que pensa diferente do público de duas décadas atrás e é isso que motiva um remake da história dos garotos do Zordon.

O que eu quero dizer é que Alterações no Enredo original podem (e devem) ocorrer. Eu só queria deixar isso claro, antes dos fãs mais nervosos torcerem o nariz quando virem os puros, belos e bem intencionados rangers da Alameda dos Anjos derem lugar a um bando de adolescentes rebeldes com super poderes.

ATORES DE FRANQUIAS COMO JOGOS VORAZES E BREAKING BAD

Certamente, uma dessas mudanças que comentei acima é a chamada de atores de franquias já conhecidas do público para Personagens centrais da História. Pra quem não sabe, Zordon e Rita Repulsa serão Bryan Cranston e Elizabeth Banks, atores conhecidos de quem acompanhou Breaking Bad e Jogos Vorazes.

Aliás, nesse remake, teremos uma nova origem para Zordon e uma Rita Repulsa assassina de Rangers.

Um ótimo recurso para atrair os fãs de outras franquias para ver seu ator favorito num filme que aposta alto. Atores com talento reconhecido podem oferecer, até certo ponto, uma prévia de como será o Personagem na nova versão...

...ENTÃO TEREMOS POWER RANGERS... BAD BOYS?!

Como já discutimos as motivações que levam a Direção de um Filme a alterar o Produto Original, vamos discutir algo importante, os Personagens. A História pode até não convencer, mas se o Personagem for legal e bem trabalhado, a coisa acaba engajando. Todos que me conhecem sabem que eu primo bastante pela Construção de um Personagem (eu adoro escrever, diga-se de passagem).

Pelo que eu entendi, todos os cinco Rangers (sim, pelo menos nesse primeiro momento, Tommy não está lá) são o que chamamos de "garoto problema". Eles se conhecem na Detenção (eu acho) e isso exigirá um mínimo de profundidade ao Personagem (o que ele fez pra ir parar ali, como, quando e tal).

Como eu disse antes, na série anterior, todos eram mais santos que a Virgem Imaculada e, agora, são mais parecidos com Humanos (tem uma rotina, problemas e tomam decisões erradas). Isso é legal pacas, mas eu ainda tenho minhas reservas com relação a esse tipo de "alteração" na História.

DESCONSTRUIR É BOM?!

Sempre foi interessante adaptar um Título das antigas para uma "versão Dark" e isso é interessante. A desconstrução do visual ajuda bastante e podemos ver que os Brinquedos do novo filme já mostram Zords bem diferentes.

O visual novo do Alpha 5 então nem se fala. Olha como ficaram os Zords nos posteres.

Outro fator, mas este é mais complicado de mexer, é o Psicológico do Personagem, pois este é que será absorvido pelo Público e, por consequência, possibilitará a Empatia. Se a mentalidade do Público muda, então é natural que o Personagem também mude e vários filmes pra provar isso: Branca de Neve e o Caçador e depois Caçador e a Rainha de Gelo, tem o novo filme da Bela e a Fera.

Enfim, o que eu to tentando dizer é que nessas adaptações, os Heróis precisam de uma "contraparte do Mal" ou menos "Legal".

PROBLEMAS? PLÁGIO?

Quando o Trailer saiu, muita gente correu pra dizewr que há uma proposta bem emelhante a proposta do filme Clube dos Cinco (de John Hughes). Caso você tenha reparado, o trailer tem uma "pegada" de Poder Sem Limites e Clube dos Cinco e, até certo ponto, Projeto Almanaque (dirigido pelo próprio Dean Israelite).

Uma história muito forte correu na Internet sobre Max Landis (primeiro roteirista antes da chegada de Dean Israelite) dizer que o novo Power Rangers ficou igual a Poder Sem Limites.

O mundo dos bastidores do Cinema, volta e meia, tem dessas coisas. Lembro de uma treta bem grande desse gênero que foi a substituição de Gabriel Yared por James Horner na produção musical de Tróia. Também já comentamos aqui os problemas que Star Wars Episódio VII teve antes de sair.

Acredito que mudanças (dentro de um limite tolerável, que não desconstrua totalmente o que já temos preservado de Power Rangers) são boas e valiosas e o elenco novo contribui bastante para a aceitação. Aliás, eles já conquistaram o Público na ComiCon Experience e isso já é muita coisa.

Qualquer coisa, comentem aí!

Nenhum comentário:

Postar um comentário