sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Uma visão Filosófica e Espiritualista sobre a animação Madagascar


Oi, meu povo! Primeiro de tudo, um FELIZ 2016 pra todos!

Este inicio de ano, eu resolvi dar uma cara mais "Pessoal" no blog, depois de uma constatação embasbacante. Certo dia, conversando por e-mail com o blogueiro do Luz e Trevas, este comentou a falta de postagens sobre Cinema neste blog que deveria falar sobre Cinema...
... Pelas barbas de Jack Sparrow, ele está certo!

Adoro Cinema e, para mim, a oportunidade de debater sobre a Sétima Arte é o Orgasmo Tântrico e reconheço que, apesar de ser esse o propósito incial deste Blog, acabei desviando desse caminho...

... não me olhe assim, o Darth Vader também se desviou do caminho e nem por isso você deixou de gostar dele.

Então vamos falar de Filmes. Hoje, falaremos de uma animação que eu não gostava muito (achava seu visual de gosto duvidoso), mas aprendi a gostar e, depois de muito dessa coisa de pensamento profundo na cabeça, hoje é um dos meus Filmes favoritos.

Estou falando de Madagacar.

Antes de seguirmos, quero deixar claro que essa é minha interpretação. Eu já falei sobre como discutir sobre Filmes, então, você tem liberdade pra pensar do seu jeito. Ah, e não vou me prender ao filme, se não conhece a história, vá ver o filme, ora pombas! Além do mais, quero discutir outras coisas que acho mais interessante, uma abordagem mais Espiritualista, com influência de Sócrates e seu discurso do Mito da Caverna.

Sério?! Sócrates em animação infantil?!

Vai lendo. Espero que gostem e comentem.
----------------------------------------

INFORMAÇÕES GERAIS DE MADAGASCAR (2005) 

Animação produzida pela DreamWorks Animation SKG e dirigida por Eric Darnell e Tom McGrath (também faz a voz do Pinguim "Capitão). Madagascar é a história de quatro animais (o Leão Alex - Ben Stiller; a Zebra Martin - Chris Rock; a girafa Melman - David Schwimmer; a Hipopótamo Glória - Jada Pinkett Smith) que tem sua confortável rotina como as maiores atrações do Zoológico de Nova York abaladas pela obcessão da Zebra em voltar para a Natureza.

Pronto?! Cadê o velho "parteiro de ideias" e beberão de Cicuta?!

Calma, jovem mancebo. Vamos por partes.

VISÃO FILOSÓFICA (SOCRÁTICA) DE MADAGASCAR

Nossos improváveis Heróis tem uma vida extremamente confortável e despretensiosa no Zoológico de Nova Yokr. Contudo, a Zebra (Martin) quer mais, se sente deslocado e tem crises existenciais ao ver o Mural de frente para a sua jaula, com a pintura da savana, seu habitat natural.

Martin observa o mural do Zoológico com paisagens da Savana
Ao observar o Mural, Martin imagina como seria a vida fora do Zoo, onde vive uma Vida de mentirinha. Ar puro, instintos, agora o Zoológico é uma prisão e Ele (Zebra) deseja escapar dali e viver de verdade numa nova realidade.

Essa situação não te lembra nada?!

Pois deveria!

O Mito da Caverna - Platão

A ALEGORIA DA CAVERNA EM MADAGASCAR

É exatamente a proposta de Sócrates no livro VII de A RepúblicaAlegoria da Caverna (Alegoria é mais correto do que Mito). Nesse livro, Sócrates e Glauco (amigo de Sócrates) comparam a Sociedade a Homens cativos desde a infância em uma caverna e, por isso, desconhecem qualquer coisa do lado de fora.

Para estes Homens, as Sombras projetadas na parede da caverna por uma fogueira são tudo o que conhecem do Mundo fora dali. Se você for ávido por Conhecimento, leia A República e seja mais Sábio e Feliz (afinal, Conhecimento é Poder)... Mas se você é igual a mim e é incapaz de ler mais do que cinco frases antes de se afogar no Tédio, pega esse resumão, que também tá valendo.

Voltando ao filme,  a Zebra recebe dos Pinguins (considerados Loucos pelo resto do Zoo) a confirmação de que há, realmente, um Mundão lá fora cheio de coisas e que sua vida ali não é natural. A Zebra compartilha com os amigos a ideia de fugir e é desencorajado. Até seu melhor amigo (o Leão Alex) o reprova.

Amigos que jogam por terra seus sonhos mais destemidos... aposto que você lembrou de alguém agora.


Na Alegoria da Caverna, Sócrates diz que "Aquele que tiver uma visão diferente dos demais cativos na Caverna acaba hostilizado". O próprio Sócrates também sofreu Bullying por suas ideias. Seus discípulos, que eram encorajados a questionar a Sociedade, também eram penalizados. A vida no Zoológico é ótima e esse tipo de mentalidade você pode encontrar em qualquer lugar, no seu Trabalho, na sua Academia, entre seus Amigos também.

Ninguém troca o Certo pelo Duvidoso. 

Lembrei de O Peregrino (filme fácil de achar na Net), onde se discute os problemas que o Verdadeiro Cristão encontra ao tentar seguir os corretos caminhos.

Ainda na Alegoria da Caverna, quando os Animais conseguem chegar até a Natureza temos a representação da saída da Caverna, onde o cativo experimenta sensações desconhecidas: O Sol, a grama, o vento e a certeza de que a Vida na Caverna era limitada e falsa... mas não se iluga, pequeno gafanhoto. O Mundo lá fora tem situações que Caverna nenhuma vai te deixar suficientemente preparado para encarar.

VISÃO ESPIRITUALIZADA DE MADAGASCAR

Agora nossos Heróis estão na Natureza e não será fácil viver sem as regalias do Zoo. Seja por uma perspectiva Darwinist da Natureza ou pelo Darwinismo Social, apenas os indivíduos que se adaptam e resistem a Tudo conseguem prosperar.

O TEMA REENCARNAÇÃO EM MADAGASCAR

Numa visão Espiritualista (mais especificamente no Espiritismo), a mudança do Zoo (fácil e simulado) para a Natureza (complexo e imprevisível) lembra a proposta da Reencarnação. Quando o Espírito reencarna, ele vem de um Ambiente onde recebe acolhimento de Benfeitores Espirituais e se prepara para voltar a Terra pra se aprimorar (corrigindo defeitos, reatando laços e aprendendo mais coisas).

Em Madagascar essa proposta é percebida na rotina do Zoológico (que seria o Mundo Espiritual), onde os Animais não enfrentam adversidades/provações como Fome, Sede, Cansaço ou mesmo Predadores. Já na Natureza (reencarnado na Terra) a coisa é bem diferente: É preciso lutar por comida, bebida, reunir um mínimo para viver e criar relacionamentos...

... e PRINCIPALMENTE DOMINAR SEUS INSTINTOS. Em uma relação social, ter o Controle sobre sua personalidade pode fazer toda a diferença.

O LEÃO PREDADOR QUE EXISTE EM CADA UM

Todos os Animais são testados (tanto os do Zoológico, quanto os Nativos de Madagascar) e o Leão é o que mais sofre na adaptação, pois a Vida no Zoológico reprimiu todo seu instinto de animal Predador e quando isso se manifesta, ele não sabe como reagir, pois desconhecia isso. Até aquele movimento foda que o felino virar no ar e cair de pé.

Sim, aquele movimento é muito massa.

E Sim, eu já joguei um gato pra cima só pra vê-lo virar no ar.

A questão é que os Instintos predatórios do Leão Alex surgem e o descontrole é total, o que é um problema pra quem estiver por perto. Da noite pro dia, a presença do Leão se transforma de Liderança para Perigo extremo.

Principalmente a Zebra Martin, que quase é devorada, mas este não desiste da Amizade com o felino. Tal situação leva o Leão Alex a se isolar na ilha das Fossas, onde tem constantes pesadelos e alucinações causadas pelo seu instinto predatório e pela fome. Nem a Amizade com a Zebra Martin parece superar essa situação.

Ainda sobre Espiritismo, nossas más inclinações são oriundas do Espírito, um "Ser" ancestral com experiências de suas várias vidas (Maiores dúvidas, veja este artigo sobre O Criminoso Nato e a Reencarnação). O comportamento predatório do Leão pode ser entendido como nossos impulsos mais primitivos de difícil controle. No caso do Leão Alex, seus instintos, adormecidos, agora despertam na Natureza e Alex precisa aprender a dominá-los para não machucar ninguém que ele ama.


É interessante pensar nessa relação de Amor/Ódio do Leão com a Zebra, o que lembra muito o Yin-Yang, a melhor representação de harmonia (que seria um meio termo entre o Leão e a Zebra, a temperanca). A necessidade de manter uma relação saudável com o Mundo requer uma moderação dos Instintos.

Não dá pra chuta o pau da barraca o tempo todo.

O equilíirio vindo do Forte laço de Amizade entre a Zebra e o Leão, entre a Presa e o Predador e outros pares de opostos (agressor e ofendido, criminoso e vítima, maior e o menor, primeiro e ultimo) dão uma clara afirmação da necessidade de moderação em nosso estilo de vida.

Quando perdemos o controle e nos deixamos dominar por instintos primitivos, lascamos tudo e só uma forte amizade e, claro, nossa própria boa vontade, é que pode nos tirar desse tipo de problema. Claro, o ambiente, as amizades e nossa condição física pesam, além do mais, você não vai se ajeitar de uma hora pra outra. A fome e o fato de ser o unico carnívoro do grupo contribuem seriamente para tal situação.Contudo, no final, a culpe é o próprio Indivíduo, por causa do Livre Arbítrio.

OS PINGUINS E AS REVOLUÇÕES PERIÓDICAS

Eu penso que os Pinguins podem ser entendidos, filosoficamente falando, como o Conhecimento, o Espírito Aventureiro e inconstante que excitam as mentes para sair do Comodismo.

Interessante você pensar que os Pinguins também são uma representação da Força Intelectual Coletiva, ou seja, União, Espírito de Equipe. Antes, no Zoológico, cada animal tinha seu canto e vivia sua vida fuleragem, os Pinguins mostram que a União de várias ideias e disciplina podem revolucionar seu estilo de vida.

Ainda sobre Espiritismo, penso naquela trupe de Pinguins como um Espírito Idealista. O fato de serem Pinguins vivendo na Savana (indivíduos totalmetne estranhos naquele ambiente) e ajudando os recém chegados desde muito longe, simbolizaria, de forma sutil, a performance de Espíritos Superiores auxiliando os Médiuns desde o Período de Erraticidade até a reencarnação .

O Espiritismo diz que somos auxiliados por Seres mais Conscientes e intelectualmente mais adiantados, o que é uma mão na roda durante nossa ardua tarefa de encontrar nosso lugar ao Sol. Ainda sobre esses Espíritos Superiores, vale ressaltar a ocultação de sua verdadeira identidade, pois, para Eles, o que importa não é o Mensageiro, mas a Mensagem.
"Você não viu naaaaada..."
Por isso a imagem dos Pinguins, que são (praticamente) todos iguais.

Os Pinguins ressaltam bem essa frase, não penas pelo fato de serem idealistas e de seguirem os quatro protagonistas até Madagascar, mas pelo fato de que carregam, simbolicamente e da mesma forma que a Zebra Martin, o equilibrio nas cores (Yin-Yang).

----------------------------------------
Bom, vou ficando por aqui. Cara, vocês não imaginam a trabalheira e a canseira que essa postagem me deu... na verdade, eu estou  com esse rascunho salvo nos meus papeis desde o ano passado (mais necessariamente primeiro semestre de 2015), mas finalmente saiu.

Anida virão outros, espero que gostem e comentem. Achou a postagem longa?! Achou algum erro?! Informe e compartilhe. Abraço.

2 comentários:

  1. Achei muito bom como você conseguiu "ligar os pontos" fazer a conexão de temas aparentemente não tem nada haver, gostei muito da postagem, me ajudou a relembrar certos conhecimentos ja meio esquecidos... Muito bom !!!

    ResponderExcluir
  2. Muita informação dentro de um
    ponto de vista bem elaborado.
    Gostei muito!!

    ResponderExcluir